Nísia realiza sua primeira reunião de campanha na Casa de Oswaldo Cruz

Na Tenda da Ciência lotada, Nísia se reuniu com trabalhadores e estudantes da Casa de Oswaldo Cruz (COC), sua Unidade de origem. Destacou a atuação da Casa, através do Museu da Vida, na área de divulgação científica e as parcerias com a cooperação social, que desenvolve ações integradas no território de Manguinhos: a “construção de todos” envolve não somente os trabalhadores, estudantes e usuários da Fiocruz, mas também a sociedade, pois “não somos uma ilha”, afirmou Nísia.

Nísia ressaltou ainda o papel que a Casa desempenha no âmbito da pesquisa e ensino da história das ciências e da saúde no Brasil, da sua importância não só para a Fiocruz, mas também da sua contribuição para a sociedade, a memória e o patrimônio cultural da saúde no país.

 

 

Ao falar das motivações que a levaram se candidatar à presidência da Fiocruz, fez um convite à construção coletiva de seu programa de gestão, salientando que sua carta aos trabalhadores, entregue no primeiro dia de campanha, “não foi feita de temas, e sim constituída por compromissos”, com a Fiocruz e com o Brasil. Relembrou o início de sua carreira como pesquisadora na Casa e sua passagem na Direção, por dois mandatos consecutivos.

Com ampla participação e interesse da plateia por meio de perguntas, comentários e sugestões, Nísia discutiu a valorização dos trabalhadores e da qualidade dos ambientes de trabalho, as especificidades e potencialidades da pesquisa em história das ciências e da saúde na Fiocruz, o momento político do país, a comunicação internacional da instituição, políticas de indução e recepção a estudantes de outros estados do Brasil, as relações da Fiocruz com as agências de fomento à pesquisa científica, a diversidade das áreas finalísticas da instituição como um de seus patrimônios, e a valorização do SUS.