Primeiro debate virtual aberto em eleições na Fiocruz: grande participação da comunidade

Nísia participou na nesta segunda-feira do primeiro debate virtual em eleições na Fiocruz, inovação que permitiu a interação com trabalhadores, colaboradores e estudantes da Fiocruz e com a sociedade, reforçando o compromisso por uma gestão transparente e inclusiva, tivemos a ajuda de um intérprete de libras. O evento deixou claro a importância do uso das redes para as discussões na instituição, com mais de 4000 pessoas alcançadas, cerca de 2000 visualizações do vídeo e a participação de mais de 300 pessoas, “quero ressaltar o papel fundamental da comunicação na instituição e como a tecnologia pode ser utilizada para aproximar as pessoas, como nesse debate virtual”.

Afirmou ainda que sua candidatura é parte de um movimento que tem uma história na Fiocruz e um projeto cujos valores fundamentais são o direito universal à saúde e a visão de que a ciência, a tecnologia, a inovação, a atenção, a promoção e a vigilância não podem ser encaradas apenas como gastos, mas como componentes essenciais para o trabalho e a missão da Fundação, além da defesa do SUS. “São valores essenciais de uma instituição como a nossa e de um projeto de país mais solidário, mais justo e que trabalha também a cooperação solidária em nível internacional”.

Em seguida, ela apresentou pontos que considera centrais de sua plataforma: atualização da política de ciência, tecnologia e inovação, com a valorização da pesquisa e superação de pontos críticos, como a infraestrutura; a revisão dos editais para buscar se beneficiar das possibilidades criadas pelo novo Marco de Ciência e Tecnologia; ampliar a atuação nas áreas de atuação, promoção e vigilância, a partir da recente experiência com a epidemia de Zika, mantendo um gabinete permanente de crise e reforçando os laboratórios e serviços de referência; a democratização e a transparência dos processos decisórios; e a valorização do trabalho na Fiocruz e de todos os seus trabalhadores, incluindo revisão de carreiras, políticas inclusivas, ambientes com mais qualidade e a visão de um trabalho digno em todos os ambientes.

Reformulação e valorização das carreiras já estão na pauta

Ao responder a primeira pergunta, sobre a reformulação das carreiras na Fiocruz, Nísia assumiu o compromisso de aprimoramento de todas elas, encarando o trabalho na instituição como unificado, sem divisões que possam ser ruins para a dinâmica das relações internas. Ela lembrou que esse trabalho já vem sendo feito e citou a Gratificação de Qualificação para o pessoal de nível técnico e médio como exemplo do trabalho pela melhoria das condições dos trabalhadores e enfatizando a importância da RRA para os analistas e tecnologias e destacou a mobilização destes em torno do tema.

 

Nísia anunciou ainda que dará total atenção à carreira de pesquisa porque considera que há um congelamento para os que chegam ao topo e que, por isso, considera necessário pensar avanços para os profissionais. “Vamos manter constante diálogo com todas as carreiras”.

Nísia disse ainda que pretende tratar todos os trabalhadores da Fiocruz, sejam concursados ou contratados com outros vínculos, da mesma maneira e com o mesmo respeito e convidou todos a participar dos debates para a discussão dos planos da futura gestão. Ela explicou que o processo de substituição dos terceirizados por profissionais aprovados em concurso faz parte de um termo de ajustamento de conduta e será mantido nas carreiras próprias do serviço público. “Isso precisa ser feito porque a nossa instituição precisa defender e ter servidores de carreira, porque é o grau de estabilidade que se espera para uma instituição como a nossa”.

 

Sobre as terceirizações naqueles segmentos permitidos por lei serão mantidas e esses trabalhadores, assim como os bolsistas, respeitados da mesma forma que qualquer outro na Fiocruz e que será aberto sempre o diálogo com todas as carreiras através do sindicato. Ela prometeu buscar sempre atender às reivindicações e defendeu a existência de um sindicato único para defender os interesses de todos trabalhadores da Fiocruz. Nesse sentido, a candidata afirmou que a direção da Fiocruz já está estudando os impactos sobre a instituição da aprovação da PEC que reduz os gastos do governo e estabelece um teto para os investimentos.

Parcerias serão mantidas e valorizadas

Nísia destacou ainda que vai manter e apoiar as parcerias da Fiocruz com outras instituições, como universidades, centros de pesquisa e outros e citou o reforço à Escola Corporativa como principal elemento para o aprimoramento da formação e da gestão na Fiocruz. Além disso, afirmou que já está negociando um estreitamento do trabalho conjunto com a Escola de Administração Pública (Enap). “É uma instituição que pode nos ajudar no plano de formação dos nossos servidores”.

A candidata informou que manterá os projetos de construção de prédios para a instalação dos institutos da Fiocruz que prestam assistência à população. Ela disse que, mesmo antes de conseguir completar o projeto de levar todos os institutos para um complexo na Quinta da Boa Vista, reformas e adequações estão sendo feitas nos prédios atuais para garantir a qualidade dos serviços à população.

Investimento em TI será prioridade

Nísia anunciou também que os investimentos em equipamentos de tecnologia de informação será uma das prioridades de sua gestão, já que a produção de conhecimento e a política de dados abertos na pesquisa e na administração é uma característica da Fiocruz. “Sabemos que há uma defasagem de equipamentos das unidades. E corrigir isso será uma prioridade, tanto em termos de pesquisa e de TI”. Melhorar o alcance de nossa internet e investir em redes wifi é fundamental para um projeto de saúde digital, .

Ela disse que nesse campo será dada atenção especial a educação a distância, ressaltando a experiência da ENSP, da UNASUS e citando o recente lançamento do campus virtual. “Acho que é o momento de avançarmos numa agenda da TI para finalidades científicas, do uso do datacenter de forma coordenada, visando a política de dados abertos para a pesquisa e na administração, além  de seu uso educacional ”.

A candidata encerrou o debate virtual destacando a importância da comunicação e das novas tecnologias para integrar toda a Fiocruz e citou o exemplo do evento desta manhã como uma demonstração de que elas podem democratizar a troca de informações. “Num país como o nosso, e numa instituição como a nossa, o uso das novas tecnologias dialógicas para se chegar às pessoas é fundamental. E eu estou no Século XXI olhando para a nossa instituição, olhando para a tradição rica que ela tem com muito respeito por todos aqueles que a dirigiram principalmente da gestão de Sergio Arouca até hoje, que foi o período que eu acompanhei e com muita felicidade de passar por esse momento, pois ainda que falemos de dificuldades, esse momento eleitoral raro, é muito rico e que seja um momento de debate sobre a instituição, de aperfeiçoamento do projeto e de afirmação da nossa unidade”.

Acompanhe em nossa fanpage a repercussão do debate. Em breve colocaremos disponível as respostas das perguntas que não puderam ser encaminhadas por falta de tempo.